A Crença no Destino
Enviado por admin em 31/12/2009
Em Nome de Allah, O Clemente, O Misericordioso

Destino e Decreto Divino
Crença:

Acreditamos nos destino, ainda que seja agradável ou desagradável, o qual Allah tem medido e ordenado para todas as criaturas de acordo com o Seu conhecimento prévio e considera adequadas por Sua sabedoria.

Níveis de crença:
Crença no destino tem quatro níveis:

1) Conhecimento: Nós acreditamos que Allah, Exaltado Seja, sabe de tudo. Ele sabe o que aconteceu e o que vai acontecer e como irá acontecer. Seu conhecimento é eterno. Ele não adquire novo conhecimento nem esquece aquilo que sabe.

2) Gravação: Nós acreditamos que Allah tenha gravado numa Tábua Segura (al-Lawh al-Mahfud) tudo o que vai acontecer até ao Dia do Julgamento:


أَلَمْ تَعْلَمْ أَنَّ اللَّهَ يَعْلَمُ مَا فِي السَّمَآءِ والأرض إِنَّ ذلِكَ فِي كِتَابٍ إِنَّ ذلِكَ عَلَى اللَّهِ يَسِيرٌ] الحج: 70]
“Vós não sabeis que Allah sabe de tudo o que existe nos Céus e na Terra? Certamente que estará num livro. Certamente que para Allah é uma tarefa fácil” (22:70)

3) Testemunho: Nós acreditamos que Allah tenha desejado tudo o que está nos Céus e na Terra. Nada acontece exceto por Sua vontade. O que quer que Ele deseja terá lugar e o que quer que Ele não deseja não terá lugar.

4) Criação: Nós acreditamos que:

خَـالِقُ كُـلِّ شيء وَهُوَ عَلَى كُل شيء وَكِيلٌ لَّهُ مَقَالِيدُ السَّمَـوَتِ وَالاَْرْضِ] الزمر: 62، 63]

“Allah é o Criador de todas as coisas; Ele é o Guardião de todas as coisas e a Ele pertencem as chaves dos Céus e da Terra” (39:62-63). Este nível inclui o que quer que o próprio Allah faça e o que quer que suas criaturas façam. Assim, cada dizer, ação ou omissão das criaturas é conhecido por Allah, que tem gravado, desejado e criado:

لِمَن شَآءَ مِنكُمْ أَن يَسْتَقِيمَ * وَمَا تَشَآءُونَ إِلاَّ أَن يَشَآءَ اللَّهُ رَبُّ الْعَـلَمِينَ] التكوير: 28، 29]
“Para aquele de vós que será honrado. Mas vós não desejareis exceto o que Allah deseja, O Senhor dos Mundos” (81:28-29);

وَلَوْ شَآءَ اللَّهُ مَا اقْتَتَلُواْ وَلَـكِنَّ اللَّهَ يَفْعَلُ مَا يُرِيدُ ] البقرة: 253]
“tivesse Allah desejado, não teriam lutado um contra o outro, mas Allah faz o que Ele deseja” (2:253);

وَلَوْ شَآءَ اللَّهُ مَا فَعَلُوهُ فَذَرْهُمْ وَمَا يَفْتَرُونَ ] الأنعام: 137]

“Se Allah desejasse, não o teriam feito, mas deixá-los sozinhos com as suas invenções” (6:137);

وَاللَّهُ خَلَقَكُمْ وَمَا تَعْمَلُونَ] الصافات: 96]
“Allah criou você e o que você faz” (37:96).

A livre vontade do ser humano:

Acreditamos, porém, que Allah concedeu ao homem um poder e uma livre vontade pelos quais ele executa as suas ações. Que as ações desses homens são feitas por sua livre e espontânea vontade e poder, pode comprovar-se por meio dos seguintes pontos:
Allah diz:

فَأْتُواْ حَرْثَكُمْ أَنَّى شِئْتُمْ] البقرة: 223]

1) “Portanto, abordem os vossos campos (esposas) quando e como desejarem” (2:223)

وَلَوْ أَرَادُواْ الْخُرُوجَ لأَعَدُّواْ لَهُ عُدَّةً] التوبة: 46]
“Se tivessem desejado ir adiante, eles teriam feito alguma preparação para isso” (9:46). Nestes versos, Allah afirmou para o homem: “ir adiante” por sua vontade e uma “preparação” por seu desejo.

2) Dirigindo o homem para fazer ou não fazer, se o homem não tem livre vontade e poder, essas direções significam que Allah está pedindo para fazer o que ele não pode fazer. Esta proposta é rejeitada pela sabedoria de Allah, misericórdia e verdadeira declaração:

لاَ يُكَلِّفُ اللَّهُ نَفْسًا إِلاَّ وُسْعَهَا] البقرة: 286]
“Allah não impõe a ninguém obrigação para além de suas capacidades” (2:286)

3)Louvando as Suas ações virtuosas e culpar o malfeitor pelos seus atos e recompensar cada um deles com o que ele merece. Se a ação não for feita por livre vontade do indivíduo, elogiar o virtuoso é uma anedota e punir os malfeitores é uma injustiça, porque Allah está evidentemente, longe de ser injusto.

4) Allah tem enviado mensageiros que são:

مُّبَشِّرِينَ وَمُنذِرِينَ لِئَلاَّ يَكُونَ لِلنَّاسِ عَلَى اللَّهِ حُجَّةٌ بَعْدَ الرُّسُلِ] النساء: 165]

“o sustento de boas notícias, e de aviso, a fim de que os humanos não tenham qualquer argumento contra Allah depois dos mensageiros” (4:165). Se as ações do indivíduo não forem realizadas de sua livre vontade, a sua argumentação não é invalidada pelo envio dos mensageiros.

Cada executor de ações sente que ele faz ou não faz uma coisa sem qualquer coerção. Ele ergue-se e senta-se, entra e sai, viaja e fica de sua livre vontade, sem sentir que alguém o obriga a qualquer uma destas ações. De fato, ele distingue claramente entre o fazer algo por sua livre vontade e alguém forçando-o a fazer estas ações. A lei Islâmica também sabiamente distingue entre esse estado de assuntos. Não punirá um pecador por uma ação feita sob coerção.

O pecador não pode se desculpar com a predestinação quando comete um pecado:

Consideramos que o pecador não pode se desculpar com a predestinação quando comete um pecado, porque ele comete os seus pecados por sua livre vontade, sem saber o que Allah tinha decretado para ele, porque ninguém sabe o decreto de Allah antes que ele tenha acontecido:

وَمَا تَدْرِي نَفْسٌ مَّاذَا تَكْسِبُ غَداً] لقمان: 34]
“Ninguém sabe o que irá ganhar amanhã” (31:34).

Como é possível então se desculpar com uma prova que desconhecia que iria acontecer. Allah invalidou este tipo de argumento dizendo:


سَيَقُولُ الَّذِينَ أَشْرَكُواْ لَوْ شَآءَ اللَّهُ مَآ أَشْرَكْنَا وَلاَ أبَآؤُنَا وَلاَ حَرَّمْنَا مِن شيء كَذَلِكَ كَذَّبَ الَّذِينَ مِن قَبْلِهِمْ حَتَّى ذَاقُواْ بَأْسَنَا قُلْ هَلْ عِندَكُم مِّنْ عِلْمٍ فَتُخْرِجُوهُ لَنَآ إِن تَتَّبِعُونَ إِلاَّ الظَّنَّ وَإِنْ أَنتُمْ إِلاَّ تَخْرُصُونَ ] الأنعام: 148
“Os idólatras dirão: ‘Se Allah quisesse não teríamos sido idólatras, nem nossos pais, nem teríamos proibido qualquer coisa’ Assim fizeram os povos antes deles gritando mentiras até que provaram a nossa força. Dizei: ‘Tereis quaisquer provas que podereis mostrar-nos? Vocês seguem senão suposição, e vós estais mentindo’” (6:148).

Nós dizemos ao pecador que está usando o decreto divino como desculpa: ‘Porque não executeis ações de obediência, partindo do princípio que Allah os tinha decretado para vós, uma vez que vós não sabeis a diferença entre boas ações e pecados? É por isso que, quando o Profeta Muhammad disse aos seus companheiros que a posição de todos nós no paraíso e no inferno já tinha sido atribuída, disseram: “Acaso não devemos nos confiar a aquilo que foi predestinado e abandonar as obras?” Ele disse: “Não, obrai, que cada um de vocês achará fácil obrar segundo sua predestinação” (Bukhari e Muslim).

Nós dizemos ao pecador que está a tentar encontrar uma desculpa no decreto divino: “Suponha que você quer viajar para Meca. Existem dois caminhos que podem levá-lo até lá. Foi-lhe dito por uma pessoa de confiança que uma dessas estradas é difícil e perigosa e a outra é fácil e segura. Você seguirá a segunda. Você não seguirá a primeira estrada e dizer que fui eu que decretei. Se assim o fizer, as pessoas irão considerá-lo louco”.

Também podemos dizer-lhe: “Se lhe forem oferecidos dois empregos, um dos quais tem o salário mais alto, você irá certamente para o que tem o salário mais alto. Porque é que escolhe o que é mais baixo na vida do Além e usa o decreto divino com desculpa?”

Poderemos ainda dizer-lhe: “Nós vê-mo-los quando está perturbado com uma doença, irá bater à porta de cada médico à procura de tratamento e tolerar qualquer dor que possa resultar de operações cirúrgicas e da amargura da medicina. Porque vocês não fazem o mesmo quando o seu coração está espiritualmente doente com pecados?”

O mal não deve ser atribuído a Allah:

Acreditamos que o mal não deve ser atribuído a Allah, devido à sua perfeita sabedoria e misericórdia. O profeta disse: “E o mal não é atribuído a vós” (Muslim). Assim o decreto de Allah, só por si, não tem mal algum, porque é proveniente de misericórdia e sabedoria. O mal pode, no entanto, resultar de alguns dos Seus decretos, uma vez que o profeta disse na súplica do Qunut, a qual ele ensinou a al-Hasan: “E proteja-nos do mal do que Vós decretastes.” (Tirmidhi e Outros). Aqui, o Profeta atribuiu o mal ao que Allah decretou. Apesar disto o mal no seu decreto não é pura maldade. É particularmente mau com respeito a uma coisa e bom com respeito a outra, ou num caso é bom noutro é mau. Assim a corrupção na terra resultante da seca, doença, pobreza e medo é mau, mas é bom noutro aspecto. Allah, O Altíssimo disse:

ظَهَرَ الْفَسَادُ فِي الْبَرِّ وَالْبَحْرِ بِمَا كَسَبَتْ أَيْدِي النَّاسِ لِيُذِيقَهُمْ بَعْضَ الَّذِي عَمِلُواْ لَعَلَّهُمْ يَرْجِعُونَ] الروم: 41

“A corrupção surgiu na terra e no mar pelo que os homens produziram. Allah tem ordenado isto para os homens, para que estes possam provar algumas coisas das quais têm feito, a fim de que possam voltar atrás (do mal)” (30:41).

Aplicar um castigo a um criminal é bom para ele num sentido, porque se trata de uma purificação para ele, para que o castigo desta vida e o castigo da vida do além não estejam combinados para ele. Estas penas são boas em outro aspecto: a sua aplicação protege tanto a o indivíduo como para a sociedade.

Beneficios
Esta crença sublime, que inclui grandes princípios, produz numerosos e úteis tipos de frutos para quem acredita.

Virtudes da crença em Allah:

A crença em Allah, nos Seus nome e atributos, incute no indivíduo o amor e a glorificação de Allah, que resultam no seu desempenho das instruções de Allah e no evitar Suas proibições. Estes são os meios para atingir derradeira felicidade nesta vida e na vida do além, tanto para o indivíduo como para a sociedade:


مَنْ عَمِلَ صَـالِحاً مِّن ذَكَرٍ أَوْ أُنْثَى وَهُوَ مُؤْمِنٌ فَلَنُحْيِيَنَّهُ حَيَاةً طَيِّبَةً وَلَنَجْزِيَنَّهُمْ أَجْرَهُم بِأَحْسَنِ مَا كَانُواْ يَعْمَلُونَ ] النحل: 97
“Quem, homem ou mulher, praticar boas ações, enquanto acreditar, certamente conceder-lhe-emos uma vida digna e os recompensá-lo-emos de acordo com a melhor das suas ações” (16:97).

Virtudes da crença nos Anjos:

Apreciar a Grandeza de Allah, o Seu poder e a Sua soberania. Gratidão a Allah, porque coloca alguns anjos responsáveis pelos Seus servos, gravando as suas ações e outras coisas para seu benefício. Amor e admiração pelos anjos, pelo que estão a fazer, ou seja a adorar Allah da melhor maneira possível e rezando pelos crentes.

Virtudes da crença nos livros:

Apreciar a misericórdia de Allah e o cuidado para com suas criaturas, e que enviou um livro para cada nação para sua orientação.

Apreciar a sabedoria de Allah, porque Ele revelou nestes livros para cada nação o que lhes convém. O glorioso Alcorão é o último livro e ele é adequado para todas as pessoas em todos os momentos até ao Dia do Julgamento.
Mostrar gratidão pela misericórdia de Allah na revelação desses livros.

Virtudes da crença nos Mensageiros:

Apreciar a misericórdia de Allah e o cuidado para com suas criaturas, ao enviar-lhes os grandes mensageiros para orientá-los no caminho certo. Agradecer a Allah por esta grande graça.

Amar e respeitar os profetas e louvá-los por aquilo que eles merecem, porque são mensageiros de Allah. Adoraram Allah de acordo com a melhor das suas capacidades, transmitiram a Sua mensagem à humanidade, deram sincero conselho às pessoas e suportaram pacientemente qualquer dor que receberam.

Virtudes da crença no Dia do Julgamento:

O esforço para obedecer a Allah para alcançar a recompensa desse dia e evitar qualquer desobediência a Ele com medo do Seu castigo que ele espera obter de bênçãos e recompensas na vida do além.

Virtudes da crença no Destino e no Decreto Divino:

Encomendar-se a Allah, obrando segundo as realidades dos fatores externos, já que o fator e seu resultado são resultado da predestinação divina.

Tranqüilidade e conforto da mente, pois quando o indivíduo sabe que tudo é pelo decreto de Allah e que percalços vão acontecer de qualquer maneira, a sua alma estará tranqüila e o seu coração satisfeito com o decreto de Allah. Ninguém tem uma vida mais confortável, uma alma sem preocupações e uma forte confiança do que um crente no destino.

Liberdade de arrogância quando a meta é alcançada, uma vez que esta é uma bênção de Allah através do qual Ele decretou as causas do bem e do sucesso. O indivíduo deve agradecer a Allah por isso e libertar-se da sua própria arrogância.

Liberdade de preocupação e tédio, em caso de fracasso ou infortúnio, uma vez que devido ao decreto de Allah, O Único que possui os céus e a terra. Visto que vai acontecer de qualquer maneira, o indivíduo deve ser paciente e esperar a recompensa de Allah. Allah chama a atenção para as duas últimas virtudes no seguinte verso:


مَآ أَصَابَ مِن مُّصِيبَةٍ في الأرض وَلاَ في أَنفُسِكُمْ إِلاَّ في كِتَـابٍ مِّن قَبْلِ أَن نَّبْرَأَهَآ إِنَّ ذَلِكَ عَلَى اللَّهِ يَسِيرٌ ] الحديد: 22، 23
“Nenhum infortúnio pode ocorrer na terra ou em vós, que não esteja registrado num decreto mesmo antes de ser trazido à existência, o que é realmente fácil para Allah; para que você não se aflija ao que lhe escapa, nem se alegre pelo que veio para si. Allah não ama nenhum gabarola arrogante” (57:22-23)

Oramos a Allah, O Exaltado, para recompensar-nos por esta crença, para fazer-nos perceber os Seus frutos, para aumentar as nossas bênçãos e manter-nos no caminho certo para onde Ele nos encaminhou e para nos conceder uma bênção vinda de Si. Ele é realmente O Doador. Louvor e gratidão sejam para Allah, Senhor do Universo, e paz e bênçãos para o Profeta Muhammad, sua família, seus companheiros e aqueles que justamente os seguiram.